twitter
RSS

[Resenha] A história de nós dois- Dani Atkins

>> sexta-feira, 10 de junho de 2016


"Não tinha nada a meu favor, a não ser um instinto primitivo que me atraía de volta para ele como se entre nós houvesse um fio invisível que me forçava a voltar..." 

Olá pessoas! Tudo bem com vocês?

A resenha de hoje é do livro A história de nós dois da autora Dani Atkins. Alguns aqui podem se lembrar dela, do livro Uma curva no tempo. Me decepcionei um pouco com ele e cheguei até a ficar receosa para pegar outro dela de novo para ler, com medo de me decepcionar novamente. Porém, eu sempre acredito que tudo o que é ruim pode melhorar ~nem sempre~, insisti na teimosia de que faria as pazes com a Dani dessa vez. B-I-N-G-O!!! Ao longo desta resenha eu vou dar alguns bons motivos que valem a pena vocês darem uma chance para a Dani Atkins.

Uma das coisas que eu pude notar logo de cara é que ela é chegada em um acidente. E eu agradeço, porque acho a trama mais interessante. E as mocinhas estarem envolvidas nesses acidentes. Só que dessa vez o negócio foi mais complicado... Era a noite da despedida de solteira da Emma, então ela se reuniu com as melhores amigas de toda a vida dela, Amy e Caroline. Assim como outras colegas que ela fez em outras circunstâncias como na faculdade, trabalho em Londres, enfim, tudo para ser A noite de comemoração das meninas, afinal a Emma se casaria em duas semanas com o Richard.

O namoro deles começou nos tempos do colégio. Superou um rompimento e depois voltaram determinados a ficar juntos e felizes para sempre... Já falei aqui que eu não sou fã dessa frase né?! Pois é, seria tudo isso aí mesmo, mas o destino não quis e um terrível acidente aconteceu enquanto elas voltavam para casa. Vale ressaltar aqui que as únicas alcoolizadas eram Amy e Emma e por conta disso Amy passou mal pedindo para Caroline parar o carro. Estrada com curvas perigosas e mal iluminada fez com que o Caroline não enxergasse com antecedência o cervo na pista. Então para não acertar o animal, ela desviou o caminho jogando o carro para o acostamento. O impacto do desvio foi muito forte e como Amy estava sem cinto de segurança, foi arremessada para fora do veículo enquanto o carro capotou despenhadeiro abaixo.

Eu sei que só de falar isso vocês devem estar pensando: "Nossa que tragédia, Lailie!!!" É, e as coisas ficam piores até que Caroline consegue se soltar e buscar por ajuda. Eis que entra Jack, o herói, na história. Ele poderia ser um perverso, um psicopata, um ladrão, enfim qualquer coisa que não fosse boa, mas ele escolheu ser um anjo, literalmente, na vida das três meninas, especialmente na vida de Emma, afinal ele precisou arriscar a vida dele para salvar a dela. Quando a gente lê, conseguimos nos transportar até a cena e sentir que algo ali estava nascendo. Dois completos desconhecidos, que já tinham mais coisas em comum do que outros que se conheciam uma vida inteira.

"Os olhos de Jack encontraram os meus, e vivi um momento de verdadeiro pavor ao me dar conta de que talvez nunca mais fosse vê-lo..."

Vamos falar do Richard, o noivo? Vamos, porque olha, se teve um personagem que eu peguei 'bode' da cara antes mesmo de conhecer foi esse. Não sei, acho que não rolou empatia com ele e um dos motivos pelo qual tenha desenvolvido isso em mim, foi o jeito que ele entrou em cena, no hospital depois de todo o ocorrido. Ele resolveu bancar o macho alfa dominador ~infantil~ para o Jack, marcando território. Me irritou? Profundamente! Custava agradecer pelo salvamento da pessoa que você diz amar? Não, não custava.

Antes que eu mude o rumo da história, preciso falar que a Amy morreu e isso não é um spoiler. A perda que desestabilizou todo mundo, porque com a morte dela, Emma passou a ter algumas desconfianças sobre várias coisas que aconteceram e que ela não teve conhecimento devido ao tempo em que morou fora. E que se não fosse as complicações devido ao avanço doença da mãe, muito provavelmente ela nunca teria voltado a morar na cidade natal. Mas foi importante tudo isso ter acontecido para que ela pudesse enxergar além das suas necessidades e da sua zona de conforto.

"Pela primeira vez em nosso relacionamento, considerando tanto o passado como a fase atual, eu não conseguia identificar a origem do problema. Era como se houvesse um rio tóxico correndo muito abaixo da superfície, corroendo algo que havia pouco tempo era saudável e forte..."

Ela voltou para casa, ficou noiva de Richard em um curto espaço de tempo, mais pela comodidade e carência do que por amor (eu sei sobre isso, mas ela ainda não sabia) vidinha confortável, mas infeliz. Emma trabalha livraria que trabalhou antes de ir embora, carreira interrompida, casamento marcado... Então quando surge o benefício da dúvida a respeito do que aconteceu enquanto ela esteve fora. A mente não parou até que descobriu que foi traída pelo noivo e sua melhor amiga morta. Noivado interrompido, ex-noivo que pisou na bola de marcação cerrada, traída pela melhor amiga que não tem como se defender, um sentimento florescendo pelo seu salvador e mais novo amigo, tudo ao mesmo tempo.
 
"E agora entendo um pouco do que você devia estar sentindo. Estar perto o bastante para tocar aquilo que você quer, mas saber o tempo todo que nunca será seu..."

Mas confesso que em determinado momento eu achava que ela poderia muito bem ter terminado sozinha. Embora Richard fosse seu amor de infância e todo aquele blá blá blá de amor da vida. A família dela interferia muito sobre o relacionamento deles assim como Caroline. Era todo mundo team Richard que até parecia errado ela sair com outra pessoa apesar das circunstâncias. Já Jack realçava o melhor que ela podia ser, exaltava suas qualidades e a incentivava a ir atrás dos seus sonhos. É justamente por isso que eu achava que ela poderia muito bem retomar sua carreira, realizar seus sonhos, mesmo que não fosse com nenhum dos dois. Obviamente que o fato da mãe dela sofrer de Alzheimer prejudicava muito essa tomada de decisões, o pai dela se recusava a querer ajuda para cuidar da esposa e isso dificultava tudo.

Eu não posso falar muito depois desse momento do livro, porque a Dani se superou, criou um desfecho que fez com que eu pudesse amá-la e odiá-la na mesma proporção. Sem contar que o final foi surpreendente, em todos os sentidos. Superei as minhas expectativas, me surpreendi bastante com o enredo tão bem elaborado. Que pouco me lembrou a Dani Atkins da minha primeira experiência. Por falar nisso, é uma dica que eu dou: se nunca leu nada dela, comece por Uma curva no tempo e depois leia A história de nós dois, é notável o upgrade na forma como ela escreve e de como ela amarra bem o final, sem deixar pontas soltas.

Outra coisa interessante sobre o livro foi a distribuição dos capítulos, o final se dividiu em seis partes e você pode ler ao longo da história, inclusive o livro começa a primeira parte do final. Deu a impressão que líamos duas histórias dentro o mesmo livro, a diferença é que essa do final você não sabe o tempo o qual está se passando e nem como, de fato, vai terminar.

Pessoas, eu espero que vocês tenham gostado. Eu sei que a resenha ficou longa, mas vocês sabem que quando eu gosto de um livro, falo bastante sobre ele. Um beijo enorme e até a próxima!!
PhotobucketRSS/Feed - Receba automaticamente todos os artigos deste blog. Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Muito Obrigada pela visita, e te espero no próximo post!

Arquivo

Experimente!

Link-me

Creative Commons License
Menina da Bahia licenciada sob uma Licença Creative Commons

  © Menina da Bahia - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL