twitter
RSS

Aprisionada - Lauren DeStefano

>> segunda-feira, 26 de setembro de 2011

 
 
 
"Um silêncio apavorante preenche todo o andar. 
É o silêncio que imagino no resto do mundo, 
o silêncio de um oceano sem fim e de ilhas inabitáveis, 
um silêncio que pode ser visto do espaço."
Pág. 65

 
Estamos no futuro. Com o avanço da tecnologia, humanos foram modificados geneticamente para terem uma melhor qualidade de vida, sem doenças, envelhecimento precoce ou qualquer tipo de anomalia que atrapalhe o curso normal da vida. A primeira geração dos ‘novos humanos’ foi espetacular. Sucesso total. Mas algo deu errado com seus filhos e os filhos de seus filhos.

Na nova ordem mundial, homens vivem até os 25 anos e as mulheres até os 20. Quando chegam nessa idade um vírus, ainda desconhecido, ataca todo o sistema, levando à morte. Garotas, as consideradas potenciais noivas de ‘governadores’ – homens ricos – são sequestradas e obrigadas a se casarem, tendo como único objetivo a procriação. As outras garotas ou se mantêm longe dos coletores – quem as sequestram – ou morrem, simplesmente porque não servem para mais nada.

Rhine – 16 anos - é sequestrada, e salva da morte por causa de seus olhos. Ela tem heterocromia. Um olho azul e outro castanho. Talvez isso a tenha salvado da morte quando os coletores a sequestraram. Juntamente com duas outras garotas, é obrigada a se casar com o governador Linden, que tem aproximadamente 20 anos.

O casamento não é o pior que possa ter lhe acontecido, pelo contrário, é o sonho de muitas garotas que passam frio e fome na rua. Mas Rhine sonha com o impossível, com liberdade. Sonha com um mundo onde elas possam morrer já velhas. Ela quer ser como o rio do atlas de Linden, aquele que lhe originou o nome. Reno.

Ela sonha com amor, e é na mansão maldita que ela descobre esse sentimento. Não por Linden – a quem ela passa a ter certo carinho com o passar do tempo -, mas por Gabriel. Seu simpático serviçal. Aquele a quem ela pode contar seus medos e desejos.


Quer saber o que é amor de verdade?... Eu vou contar a vocês uma coisa sobre o amor de verdade. Não há ciência por trás dele. Ele é tão natural quanto o céu.
Pág. 102


O amor por Gabriel é proibido, ainda mais quando ela se torna a preferida de Linden – ela tem cabelos iguais ao de sua falecida esposa, Rose. Seu sogro, malvado e de olhos cruéis, jamais permitiria que o mundo cor de rosa de seu filho fosse abalado por uma moça simplória. Jamais!

O ódio de Rhine aumenta a cada dia que passa naquela mansão. Ela precisa de apenas uma única chance para fugir.


Por que eu deveria consolá-lo, simplesmente porque tenho os cabelos louros de sua esposa morta? Eu também perdi as pessoas que amo. Quem vai me consolar?
Pág. 71


Aprisionada, de Lauren DeStefano (Underworld, 288 páginas, R$ 39,90), lembra a escrita de Elizatheth Scott. Uma história dura, triste, contada de maneira espetacular. Rhine sonha com o que nunca conheceu: liberdade. Sonha com o final feliz dos contos de fadas. Sonha, literalmente, com o impossível. Mas diferente de outras garotas, que se acomodam e não tem ambição, Rhine quer tornar o impossível possível. Ela age. Acredita que só ela pode alterar seu destino e que nunca é tarde demais para começar. 
 
É uma lição que podemos usar em nossas vidas. Esperança, tornar sonhos realidades... são pensamentos que nos fazem mover em direção a uma vida plena.


A vida é muito diferente dos dias em que havia lírios no jardim de minha mãe, e todos os meus segredos cabiam num copinho de papel.
Pág. 170

Trilogia do Jardim Químico

1. Aprisionada
2. Febre (lanç. 2012, nos USA)
3. Sem título definido 
 
 Photobucket
PhotobucketRSS/Feed - Receba automaticamente todos os artigos deste blog. Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Muito Obrigada pela visita, e te espero no próximo post!

Arquivo

Experimente!

Link-me

Creative Commons License
Menina da Bahia licenciada sob uma Licença Creative Commons

  © Menina da Bahia - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL