twitter
RSS

[Resenha] Garota em pedaços- Kathleen Glasgow

>> quarta-feira, 20 de setembro de 2017

 
“Eu me corto porque não consigo lidar com as coisas. É simples assim. O mundo se torna um oceano, o oceano cai em cima de mim, o som da água é ensurdecedor, a água afoga meu coração, meu pânico fica do tamanho do mundo. Preciso de libertação, preciso me machucar mais do que o mundo pode me machucar. Só assim posso me reconfortar. Pronto, pronto.”

O meu interesse por Garota em pedaços (Outro Planeta, 2017, 384 p.) começou pelo explorar do meu Instagram, onde eu vi a foto da capa original e a sinopse. O tema em questão me chamou muito a atenção, porque apesar de ler muitos livros com personagens depressivos, não me recordava de nenhum com automutilação. Para minha felicidade, a Planeta lançou o livro aqui no Brasil em Abril, mas eu fiquei com o pé atrás por ser o livro de estreia da Kathleen Glasgow e só o solicitei em parceria com a editora dois meses depois.

Acredito eu que minha enrolação não ajudou em nada, pois quando o livro chegou e eu pude tocar a capa parecia que eu estava tocando as cicatrizes da Charlotte. Difícil é a palavra que define a leitura de Garota em pedaços, porém muito necessária. O livro é dividido em três partes: Um, Dois e Três. Nossa protagonista é a Charlotte Davis, uma garota de dezessete anos que apesar da pouca idade, passou por muitas coisas e tudo deu início após a morte de seu pai.



Sua família desmoronou. Sua mãe, Misty se tornou uma estranha, pois ela não soube lidar com a perda e descontava as dores  que sentia na filha. Charlotte, no entanto, não dividiu com ninguém o que estava passando e ser solitária tornou sua única opção. No colégio não tinha amigos. Até a chegada de Ellis, uma aluna nova, na sua vida. Mas da mesma forma que Ellis chegou, como um foguete, partiu.  

"O corte é uma cerca que você constrói no próprio corpo para manter as pessoas do lado de fora, mas depois você chora para ser tocado. Mas a cerca é de arame farpado." 

A primeira parte mostra a chegada de Charlotte ao Creeley Center, uma clínica psiquiátrica, logo depois que ela tentou suicídio. O suicídio foi a tentativa de alívio para tudo o que ela vinha passando: a morte do seu pai, a depressão, a automutilação, a solidão, o fato de estar morando na rua com os amigos Evan e Dump, viver alcoolizada, quase ser estuprada e sua melhor amiga estar vegetando por conta de uma tentativa de suicídio. Pesado. E como disse com apenas dezessete anos.



Coincidência ou não, estamos em Setembro, mês de prevenção ao suicídio e conscientização da depressão.  Então, acompanhando a vida da Charlotte, dá para perceber que uma coisa foi levando à outra e tudo poderia ser resumido se apenas uma pessoa, tivesse o tato de perceber que ela precisava de ajuda, que na verdade ela só precisava de alguém que a ouvisse.

"Eu cortei todas as minhas palavras fora. Meu coração estava cheio demais delas." 

O período que ela fica na clínica é fundamental para sua decisão de mudar, pois lá ela não fala, só observa as garotas ao seu redor e percebe que não está sozinha e que seu problema não é exclusivo e quando ela começa a querer se abrir com as outras garotas, sua vida dá outro giro. Como ela não pode pagar para continuar ali, precisa tomar uma decisão para onde ir/com quem morar. Só sabia que morar com Misty não era uma opção, pois os problemas que estavam no passado voltariam.   



É então que ela se muda para Tucson, uma cidade bem ensolarada no Arizona, onde mora um conhecido. Só que além dele ela não conhece ninguém, e ele a deixa na mão, pois recebeu uma proposta de emprego irrecusável. Confesso que nesta parte eu temi que a Charlotte tivesse uma recaída, porque apesar dela estar disposta a mudar para melhor, um baque desses desestabiliza qualquer um.

Pelo menos com um local para morar, ela precisava de um emprego e aos poucos e com muita dificuldade sua vida foi trilhando novos caminhos, ela até conhece uma pessoa mais velha, Riley West, que tem a alma tão quebrada quanto a dela no Café onde conseguiu um emprego.

Garota em pedaços é um livro pesado, e você vê como sua alma é sugada ao ler sobre a história de Charlotte ao mesmo tempo que é um livro lindo. As cenas fortes só fazem com que tenhamos mais vontade de continuar lendo. A forma como a autora escreve de forma tão crua, direta, com riqueza de detalhes as cenas, o pensamento de Charlotte na fase em que não falava nada, enfim, me surpreendeu muito.



"Cada aberração na minha pele é uma música. Encoste a boca em mim. Você vai ouvir uma infinita cantoria." 

A Charlotte não consegue reconhecer que é uma pessoa forte, até entendo. Só que tem horas que ela se põe tão para baixo que chega a ser preocupante. Ela só consegue ver uma pessoa fraca, uma pessoa com muitos defeitos e marcas espalhadas pelo seu corpo que estavam ali para lembra-la sobre sua história.

Só posso encerrar esta resenha dizendo que Garota em pedaços é uma leitura indispensável, que faz a gente refletir sobre nossas ações para com o sentimento do próximo. 



















PhotobucketRSS/Feed - Receba automaticamente todos os artigos deste blog. Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Muito Obrigada pela visita, e te espero no próximo post!

Arquivo

Experimente!

Link-me

Creative Commons License
Menina da Bahia licenciada sob uma Licença Creative Commons

  © Menina da Bahia - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL