twitter
RSS

[Resenha] Três Coisas Sobre Você- Julie Buxbaum

>> quarta-feira, 17 de agosto de 2016



"Os dias perfeitos são para pessoas com sonhos pequenos, possíveis de serem realizados. Ou talvez para todos nós eles só aconteçam em retrospecto: só são perfeitos agora porque contêm alguma coisa irrevogável e irrecuperavelmente perdida." 

Olá pessoas!! Tudo bem com vocês? 

A resenha de hoje é deste livro lindo, um amor. Ele é daquele tipo de livro ao qual temos uma leitura plena, que sem darmos conta logo chegamos a página 100. Eu não sou fã de young adult, mas ultimamente ando lendo uns que ganharam cadeira cativa no meu coração e este, sem sombra de dúvidas, conseguiu uma. 

"Antigamente tínhamos a força de três, e agora éramos algo totalmente diferente. Uma formação nova, impossível de ser definida. Um paralelogramo vesgo."

Vamos falar de Jessie, a garota que tinha uma vida normal, porém estruturada em Chicago, o pai farmacêutico, a mãe professora universitária de literatura e a melhor amiga Scarlett, ou melhor, Scar. Tudo o que ela precisava ao alcance de suas mãos. Até que o câncer apareceu para ruir as paredes da solidez de sua vida. Perdeu a mãe e desde a perda conta os dias, as horas e os minutos que ela se foi. O pai ficou desnorteado com a perda da esposa, tanto que entrou para um grupo de apoio que ajudam as pessoas a lidarem melhor com o luto online. E foi neste mesmo grupo que ele encontrou Rachel. 

Para Jessie as coisas aconteceram muito rapidamente. Em uma hora ela estava lidando com a perda, ok que se passaram dois anos, mas ainda assim é doloroso. E o pai volta para casa casado quando na verdade, e,a jurava que ele estava em um congresso. Como estava com medo da reação dela perante a situação toda que já era estranha o suficiente. Falou sobre o que aconteceria a partir dali na velocidade da luz e até a mudança deles para Los Angeles, tudo foi feito na mesma velocidade. 

"É, não precisamos falar sobre isso, mas odeio o fato de, quando uma coisa assim acontece, as pessoas gostarem de fingir que nada aconteceu, porque é desconfortável, assustador e elas não sabem o que dizer. Não saber a coisa certa a fazer não é desculpa para não fazer nada." 

Mudar é bom, mas mudar para um local desconhecido, com vários desconhecidos, é aterrorizante. Mudar de escola aos 16 anos no ensino médio pode ser o pior pesadelo de qualquer adolescente. Recomeçar em uma cidade nova, em um colégio novo e em uma casa que não dá para chamar ainda de lar. O primeiro dia de aula da Jessie no Wood Valley é tão tragicômico que dá até dó. Ela até que tenta passar despercebida, mas algo nela desperta o interesse de Alguém Ninguém. 

E quem é Alguém Ninguém? Essa é uma pergunta de um bilhão de dólares que Jessie queria muito saber a resposta. Mas uma coisa ela já sabia, o AN era uma pessoa que a via todos os dias porque frequentava o Wood Valley e que apesar das diferenças entre ela e as pessoas daquela escola, ele a entendia. 

"A minha preocupação é o primo distante da invisibilidade: o fato de que, sem essas três coisas que compõem a minha vida aqui, eu possa simplesmente desaparecer." 

Mas como nem tudo são flores e AN vive no mundo virtual, o mundo real é cruel e impiedoso, calma. Não o mundo em si, mas aquele em que estivesse Gem e Crystal, certamente. As duas alunas mais populares e bonitas do colégio, que tinha tudo e todos ao alcance das mãos. Exceto Ethan. O aluno bonito, solitário e misterioso do WV. E ele gostava dessa imagem de "trevoso", se bem que ele não era exatamente gótico e nem tão trevoso assim. 

Precisamos falar de Theo, o novo meio-irmão da Jessie, filho da Rachel. Os dois no começo não se falavam, afinal Theo acusava ela e o pai de serem dois encostos na vida deles, ou seja, aquela birra básica de menino mimado que perdeu quem mais amava e precisa culpar alguém ou todos pela sua dor. Completamente ao contrário de Jess que não precisa da pena e da compaixão de ninguém, a não ser das pessoas que a entendem e que a conhecem de fato. Mas Theo é espalhafatoso, gosta de fazer um drama para ser o centro das atenções, que apesar dos pesares, é uma boa pessoa. Só tem dentro dele uma diva fabulosa escondida e um talento nato para a encenação. 

Com a ajuda de AN ela consegue fazer novas amigas no colégio, a Dri e a Agnes. Que preenchem o seu coração, mas não totalmente, porque falta a Scar lá. Ela começa a trabalhar na Atenção, Lombadas! Uma livraria fofa e intimista da mãe do Liam, o rockstar do colégio, que apesar de ser popular, é uma pessoa bem simples, assim como sua mãe. Mas obviamente tinha que ter um defeito: ser namorado da Gem, a arqui-inimiga da Jessie. Enfim, as coisas finalmente começaram a se encaminhar na vida dela. 

A melhor parte do livro, tirando a revelação de quem é o Alguém Ninguém, é quando ela confronta o Ethan para que eles fizessem o trabalho de inglês juntos e não simplesmente ele fizesse tudo e garantisse a nota dos dois. O Ethan, não estava acostumado com outras pessoas o desafiando e nem passando muito tempo com elas. Portanto, Jessie despertou seu interesse, quem é ela e porque ela queria tanto fizessem o trabalho de inglês juntos? A dinâmica entre eles é tão divertida, do jeito deles que a gente até fica na expectativa de que se tornem amigos. 

Esse negócio dela não saber quem é o AN a deixa extremamente confusa e desconfiada de todas as pessoas que a cercam. Porque o AN usa frases que praticamente todas as pessoas a sua volta usaram em conversas e vice-versa. Tanto que Jess considerou ser Caleb, o boneco Ken que ela aplaudiu no primeiro dia de aula, Liam, Theo e o próprio Ethan. Assim como, A Dri e até mesmo a Gem, que poderia estar fazendo isso só para sacaneá-la. 

O bacana sobre a referência do nome do livro dentro da história, é que todos os dias a Jessie e o AN trocavam informações, contando três coisas interessantes e/ou curiosas sobre eles. Às vezes eram coisas cotidianas mesmo, mas dita em três tópicos. O que foi bem legal, já que tanto a gente quanto ela não sabíamos quem era o Alguém Ninguém, em questão. 

"Vou lhe dizer mais três coisas: (1) gosto de música, livros e videogames mais do que de pessoas, elas me deixam sem jeito. (2) quando era pequeno, eu dormia com um cobertor que eu chamava... espera aí... de Cobertor, e tudo bem, ótimo, eu durmo com ele até hoje. (3) há um ano eu era uma pessoa totalmente diferente."

Apesar de ser um livro com enredo adolescente, os dramas e todas as situações envolvidas tinha um nível muito adulto. Claro que assuntos corriqueiros, como família, amor, amizade, são bem presentes. As dúvidas sobre a primeira vez é abordado de forma bem leve e cômica. Afinal a adolescência é um período de descobertas e dúvidas. E quando a pessoa passa por perdas nesta, ou em qualquer fase, é um pouco mais complicado lidar, e ainda mais complicado quando o recomeço tem de ser longe de onde sempre foi a sua casa. 

"Todos somos versões melhores de nós mesmos quando temos um tempo extra para bolar o texto perfeito."

No entanto, a Jessie aprendeu que assim como Los Angeles não é o seu lar, Chicago também deixou de ser. Ela aprendeu também que o movimento pode ser bem benéfico na nossa vida, quando estamos dispostos a deixar com que a posição do vento nos mostre uma direção. E principalmente, ela aprendeu que nem a pior de todas as mudanças, será tão ruim quanto a dor de perder quem se ama. 

Espero que tenham gostado da resenha. Um beijo enorme e até a próxima!! 







PhotobucketRSS/Feed - Receba automaticamente todos os artigos deste blog. Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Muito Obrigada pela visita, e te espero no próximo post!

Arquivo

Experimente!

Link-me

Creative Commons License
Menina da Bahia licenciada sob uma Licença Creative Commons

  © Menina da Bahia - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL