twitter
RSS

Quando o amor acontece- Thaís Santos Lurco

>> quarta-feira, 15 de julho de 2015



Olá Pessoas! Tudo bem com vocês? 

Hoje vamos de livro nacional, primeiro livro da Thaís e lançado pela Editora Charme. Ok, parei de enrolar... 
 
Olha, o começo do livro não foi muito empolgante pra mim. Acho que eu vi o título e achei clichê, aí a descrição dos personagens me pareceu clichê também, portanto fiquei meio balançada edemorei pra engrenar a leitura. Mas como não costumo desistir das coisas com muita facilidade, eis que a história começou a ficar boa e do meio pro final já me senti bem familiarizada com Alex, Jake, Anna e os dramas que cada um possui.

Eu fiquei em dúvida se a cidade é fictícia ou se ela existe mesmo, Chestertown... Se existe mesmo ou não, não tive a curiosidade de procurar no Google, mas gostei. Ela tem uma coisa de interior isolado, onde o resto do mundo não tem nem conhecimento e muito menos estão preocupados com o que você faz ou melhor, não faz.

A coragem de Alex nesse livro, é impressionante. Visto que ela sabe lidar com os problemas da mãe alcoólatra sozinha. Aliás, os problemas com álcool da Mary começaram depois da separação do marido, o pai da Alex e da Lena. Por falar em Lena, achei ela meio egoísta, eu sei que cada um lida com a dor da melhor maneira possível, mas ela simplesmente pensou em deixar de ser a garota- depressiva para se transformar na mulher-perfeita. Deixando de lado a irmã lidando sozinha com a mãe durante a adolescência.

Alex não tinha amigos, como deram pra perceber também não tinha uma família estruturada. Trabalhava numa loja de conveniência de um posto de gasolina quase falido junto com Annabell, mas não trocavam muitas palavras, apenas eram cordiais uma com a outra. No colégio, ela fazia o mínimo possível para se destacar, tirava boas notas, porque canalizava a falta de companhia para gerar boas notas em seu histórico e com isso ir para uma boa universidade.

Até no dia  do seu aniversário de 17 anos, tudo muda. Ela resolve faltar aula porque queria tirar o dia pra si. Então, pega sua bicicleta e vai até onde era uma antiga loja de doces que fechou e fica sentada lá. Até que aparece um ser todo arrumadinho, com cabelo penteado, usando óculos e fica conversando com ela... Que obviamente está sendo hostil por dois motivos: ele é um desconhecido e porque ele parou pra conversar com uma estranha solitária na rua. 

Depois desse episódio, eles seguem cada um para o seu lado. Até que no dia seguinte no colégio ela descobre que ele é um aluno novo.

Já citei sobre a aproximação de Ann e Alex, mas isso só aconteceu devido ao término do relacionamento de Ann e John que a deixou arrasada e por isso ela ficou fragilizada a ponto de Alex ver ela com a guarda baixa e se aproximou fazendo o verdadeiro papel de melhor amiga que até então, Ann também não tinha. Sabe ligação de almas? Então foi mais ou menos isso que aconteceu entre elas. 

Entre eles, porque quando as coisas começaram a ficar mais complicadas pro lado da Alex, a Ann e o Jake fizeram um papel brilhante de porto seguro, o que fez eu gostar do livro, no fim das contas. Outro positivo é o enredo, todo centrado nas questões adolescentes que todo mundo já passou (ou vai passar) nessa fase. Primeiro amor, preocupações sobre a universidade que vai cursar, problemas com a família, etc. 

Bom, espero que tenham gostado da resenha. Um beijo enorme e até a próxima! 





























PhotobucketRSS/Feed - Receba automaticamente todos os artigos deste blog. Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Muito Obrigada pela visita, e te espero no próximo post!

Arquivo

Experimente!

Link-me

Creative Commons License
Menina da Bahia licenciada sob uma Licença Creative Commons

  © Menina da Bahia - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL