twitter
RSS

[Resenha] Felizes para sempre - Nora Roberts

>> segunda-feira, 18 de maio de 2015


E quem disse que o príncipe encantado não pode chegar numa Harley-Davidson?
Eu estava devendo essa resenha e confesso  para mim resenhar esse livro seria dar adeus de verdade a esse quarteto que tanto me cativou e confortou nas minhas horas livres. Felizes para Sempre é o último volume da série Quarteto de Noivas,  e com ele temos o desfecho, o fechamento do ciclo dessas quatros amigas em busca do amor. Depositado nele estão a responsabilidade e expectativa de mostrar o amadurecimento, amizade e amor verdadeiro, que envolve não só as quatro amigas, como também todos que fazem parte dessa grande família.

No primeiro livro, Álbum de casamento, vocês nós lemos sobre a história da Mac, fotógrafa da empresa Votos, depois nos rendemos ao romance da Emma, a florista e decoradora, com o Jack no segundo volume Mar de Rosas ,  em terceiro, em Bem-casados  soubemos mais sobre a Laurel a confeiteira da Votos e sua história de amor com Delaney (o Del). A série deixará saudades por mostrar os bastidores dos casamentos e por ter amigas tão companheiras e apaixonadas por seus trabalhos.

Como a protagonista da vez é a Parker, o aspecto mais focado do funcionamento da Votos é a parte administrativa do negócio, a forma como ela consegue contornar qualquer problema que surja no planejamento das cerimônias ou durante as mesmas.

Parker Brown é racional, prática, organizada e eficiente, mas também uma pessoa muito sensível e amorosa. a típica workaholic que trabalha praticamente 24 horas por dia. Ela é a responsável pela administração da Votos e por garantir a perfeição de cada casamento que acontece na propriedade da família Brown. Parker fica disponível 24 horas nos 7 dias da semana para as noivas e está sempre pensando em seu trabalho, deixando de lado sua vida amorosa. Parker adora malhar, estar na moda, sapatos e apesar de ser tão metódica e responsável

Malcolm Kavanaugh é um mecânico de automóveis e um ex-dublê de filmes de ação. Ele teve uma infância sofrida e hoje faz de tudo para esquecer os maus-tratos que sofreu por parentes. Depois de um grave acidente, ele abandona a carreira de dublê, vai morar perto da mãe e trabalhar em sua oficina mecânica. Malcolm nunca se apaixonou por nenhuma mulher, até conhecer Parker. Ele surge no segundo livro, é amigo de Del e passa a conviver com o grupo de amigos e com a Parker, ficando cada vez mais atraído e envolvido por ela. 
"A blusa preta e a jaqueta de couro completavam a imagem de bad boy sexy feito para o pecado. E uns olhos, pensou Parker quando ele a fitou, que desafiavam uma mulher a cometer uma loucura. Aliás, mais de uma."
Mal e Parker têm uma química sexual que se insinua desde o segundo livro (Mar de rosas), porém com exceção dos poucos (e quentes) beijos trocados, nada mais aconteceu até então, mas sempre que os dois estão no mesmo ambiente uma tensão paira no ar. O Malcolm é um cara diferente de todos com quem a Parker já teve de lidar, ele não se intimida com a frieza dela e hora avança, ora recua em suas investidas, deixando-na tonta e desarmando-a completamente no decorrer da história. A Parker sempre idealizou que iria se apaixonar por um homem sensato e inteligente, com muito senso de humor e aficionado por arte, ou seja uma verão masculina dela mesma. Mas o destino nem sempre traz o que a gente quer e sim o que a gente precisa.

Parker sempre esteve no controle da situação e nunca conheceu nenhum homem que tirou seu sono e a deixou encantada, até encontrar Malcolm. Ele apesar de ser um bad boy na aparência e de esconder seus sentimentos, é insistente, determinado e vai fazer de tudo para ter Parker ao seu lado para sempre. 
"-Porque não me convida para entrar? Ela pretendia dizer não. Era o que vinha planejando fazer desde que se arrumara para sair. Cedo demais. Arriscado demais.
Abriu a porta e estendeu a mão. – Entre, Malcolm."
Sabe aquela sua amiga controladora, a líder da equipe ( todo mundo tem uma amiga assim), aquela que geralmente tem a solução para os problemas? Então assim é a Parker e no lado oposto temos o Malcolm  o típico rústico e bad boy. Gostei do final do livro no geral, mas muitas vezes senti falta de alguns detalhes importantes, enquanto outras passagem não tão necessárias tiveram linhas extensas de explicação. 

Malcolm também com seus fantasmas do passado em alguns momento acabou afastando e chateando a Parker, que sempre que vê problemas, com seu lado prático sempre tenta resolver tudo. Mas lidar com um relacionamento amoroso não é o mesmo que organizar uma festa de casamento e driblar noivas exigentes.  E isso cria uma barreira entre ele e Parker, que acredita que a intimidade não deve ocorrer somente na cama, que ela precisa conhecer melhor a pessoa pela qual está se apaixonando. E concordo completamente com a Parker nesse sentido, se não há conversa, problemas e dores partilhados, apenas sexo e paixão, um relacionamento não dura, não é verdadeiro.

"Acreditava no poder e na força do amor, nas promessas feitas, na solidez do compromisso. Casamentos eram a celebração de todas essas coisas, uma espécie de espetáculo cheio de símbolos e tradições. Mas no seu cerne havia os votos, as promessas, o laço emocional que se criava entre duas pessoas que acreditavam que seu relacionamento duraria a vida toda."

Agora falando sobre a amizade e relação do quarteto, como sempre é lindo vê-las juntas, o qaunto são unidas, ver a dinâmica dessas garotas e o tanto que elas amam o que fazem. É legal ver a preparação e a concretização de um casamento de uma delas, de algo que começou a ser construído lá no primeiro livro. A amizade que circula essa série, não só das quatro amigas, mas também dos homens com quem se relacionam, o Del, o Jack, é tão admirável, tão desejável. Faz com que no emocionemos com tanta cumplicidade e fidelidade e que desejemos que a série não terminasse, como o seriado de FRIENDS!Haha

Não posso e nem irei dizer que a série terminou perfeita ou como eu gostaria que tivesse sido. Muito ainda ficou por contar, por mostrar, deixando subentendido o que viria acontecer. Mas ainda sim foi um forma legal de me despedir das quatro amigas.Com essa última resenha posso afirmar que Mar de Rosas foi o meu preferido da série, por diversos motivos ( vejam na resenha!) e o que menos gostei foi Bem- Casados (expectativa demais?! Ou romance de menos?), emfim acredito a leitura de Quarteto faz com que possamos, mesmo que por um momento, apenas enquanto lemos essas páginas, nos sentir e acreditar que podemos ser sim felizes, talvez não para sempre, mas para sempre enquanto durar.
“O amor não avisa que está a caminho e, quando chega, vira seu mundo de cabeça para baixo.”

Bjos e até a próxima!












PhotobucketRSS/Feed - Receba automaticamente todos os artigos deste blog. Clique aqui para assinar nosso feed. O serviço é totalmente gratuito.

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Muito Obrigada pela visita, e te espero no próximo post!

Arquivo

Experimente!

Link-me

Creative Commons License
Menina da Bahia licenciada sob uma Licença Creative Commons

  © Menina da Bahia - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL